Lições que o Corona Vírus vai deixar – Parte I

Publicado por erivaldocarneiro em

Com esse Artigo eu começo uma série Artigos que irei publicar sobre as lições que, na minha humilde visão, o COVID-19 vai deixars.

Antes de começar a ler, pare aqui. Vá até a cozinha, pegue uma xícara, ponha água quente e um saché de chá de capim limão (ou o da sua preferência). Volte e vamos conversar. Imagino que sua semana vem sendo bem estressante.

A Ciência é a maior aliada da humanidade

Desde que as primeiras notícias sobre o COVID-19 surgiram, a maior parte delas, além de falar sobre a evolução da doença pelo mundo acrescentam alguma informação sobre as descobertas científicas que vem sendo feitas e que ajudarão no combate da doença.

Ciência, por definição, é um processo dinâmico de construção do conhecimento, em permanente evolução. Não é imutável, nem poderia.

Paulo Eduardo Artaxo Netto para o Jornal da USP

O mapeamento genético do vírus (Biologia nível hard), a conclusão de que o distanciamento social é a melhor forma para conter o avanço da doença (Estatística pesada), a descoberta da vacina (Biotecnologia de ponta) e os testes para detecção do vírus no corpo humano (Virologia pesada) possuem algo em comum. Todas estas ações foram, estão ou serão realizadas por algum Cientista e sua equipe formada por Doutorandos e/ou Doutores, Mestrandos e/ou Mestres e pasmem por Estagiários em algum laboratório do mundo.

A Ciência, por meio dos Cientistas, está nos mostrando que a gente pode ficar com medo, sim, mas em breve ele será nossa salvação. Para confirmar o que estou dizendo, olhem só essa imagem abaixo. Ela é uma síntese de todos o conhecimento que vem sendo produzido desde que o surto começou. É o resultado de observações, estudos, do emprego técnicas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Outro ponto a considerar é que temos acompanhado nos últimos anos o crescimento do negacionista da Ciência. Movimento anti-vacina, terraplanismo e negação do aquecimento global. Há até quem diga (religiosos) defenda a inexistência do próprio Corona Vírus aqui, no Pais e no Mundo.

Só fossem só os religiosos, seria mais fácil. Mas isso se torna problemático quando até mesmo um presidente de um país (não vou falar que é o Brasil), ignora recomendações do próprio governo e mesmo estando em quarentena por suspeita de infecção pelo Corona Vírus, vai fazer selfie com seus apoiadores do lado de fora do Palácio do Planalto. O próprio Donald Trump é um negacionista do aquecimento global. Poderia dar diversos exemplos aqui de pessoas famosas e políticos que negam a Ciência e suas descobertas. Prefiro dar palco para quem de fato merece. Os Cientistas.

Essa negação da ciência acontece quando os achados vão em sentido contrário das narrativas que pretendem emplacar no povo.

Os cientistas da mais diversas áreas do conhecimento, temos em nossas mãos, após esse crise causada pelo COVID-19, a oportunidade de freiar esta narrativa negacionista da Ciência. Temos argumentos suficientes para provar ao senso comum que nossas pesquisas, nossas horas de estudos e dedicação são importantes e trazem benefícios para todos. Será que eles serão capazes?

O papel do(a) líder será redefinido

Se tem uma coisa que essa pandemia tem me mostrado a cada dia, a cada leitura, a cada notícia é que a liderança faz toda diferença em momentos de crise como o que estamos vivendo agora. A liderança faz a diferença em qualquer momento, na verdades. Mas em momentos de tensão e que exige dos(as) líderes um exercício nas aprofundando da liderança, é muito fácil percebermos quem é líder de verdade e quem não é.

É preciso que a liderança tenha sobriedade, seja inspiradora, que consiga transmitir o recado sem passar medo, que digam que vai ficar tudo bem. Nesse quesito, eu gosto muito de acompanhar o perfil de Luciano Santos. Acho incrível como ele aborda as questões de liderança dentro das organizações, sempre dando exemplos. Aprendo demais com ele.

Quando falo de liderança estou colocando nessa cumbuca a gerência média, executivos, diretores, CEOs e toda a sopa de letra que o mundo corporativo tem a nos oferecer. Incluo nesta lista os prefeito, vereadores, governadores, deputados, senadores e os chefes de nação.

Em momentos como o que o mundo está vivendo, os(as) líderes passam a ter um maior protagonismo, mais relevância. Como responsáveis pelo navio, eles precisam ler o mapa de navegação para indicar por quais águas seus liderados irão navegar. Todos esperam passar por essa.

A liderança precisa tomar decisões e comunicá-las de forma rápida, sem arrogância, da forma mais humana possível e procurando sempre colocar as pessoas em primeiro lugar. Os(As) líderes precisam se lembrar de onde eles vieram, que um dia estiveram na posição de liderado.

Não precisam ser heróis ou heroínas. Basta ser humano(a), ter humanidade. Mostrar aos liderados(as) que a vulnerabilidade é o traço que os une. No quesito vulnerabilidade, gosto de Bené Brown. Ela é uma Cientista muito sensacional e o trabalho dela, que trata de nossa vulnerabilidade enquanto humanos é demais. Ele é fruto de anos pesquisas.

Caso não conheça a autora, fica a sugestão de leitura do seu primeiro livro, “Coragem para liderar”, lido por mim recentemente. Caso queira um reforço ou uma visão prévia do livro, basta digitar no Youtube “Bené Brown – O poder da vulnerabilidade” que você terá acesso ao TED com o mesmo título da pesquisa.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

“Ficar vulnerável é um risco que temos que correr se quisermos experienciar conexão.”

Bené Brown

O comportamento esperado da liderança não é restrito aos líderes de empresas. Líder é líder em qualquer ambiente. Por isso, esperamos, também, que nossas lideranças políticas tenham capacidade emocional, cognitiva e psicológica para nos conduzir e nos trazer conforto e confiança em dias melhores. E que quando esta fase passar, tenhamos orgulho da trajetória percorridas e dos aprendizados obtidos enquanto nação.

Nesse momento como o que enfrentando agora, estamos tendo amostras de todos(as) os(as) líderes, de todos eles. Sem exceção.

Quando tudo isso passar. Nós acreditamos que vai passar. Nós teremos conclusões bastantes elaboradas quanto aos líderes que tivemos durante a tempestade em alto mar. E, felizmente, os(as) péssimos(as) líderes irão cair. Um por um. Seja ele ou ela. Seja CEO ou o presidente da nação. Nós saberemos quais tipos de líderes não serve. É bom que os líderes saibam que eles estão sob avaliação e quando tudo isso passar eles podem não ter mais essa posição.

Sobre o autor:

Baiano de Riachão do Jacuípe, sou aspirante a escritor, tenho Mestre e Doutor em Administração, amo comer acarajé, sei fazer moqueca e chamo minha mãe de Mainha. Ah, também curto demais orientar trabalhos científicos ou que de alguma forma tenha relação com a academia.

Pensando em ajudar quem está pensando começar a carreira acadêmica ou já está nela e quer discutir sobre o assunto, eu criei um Canal no Telegram sobre Mentoria Acadêmica, no qual eu vou começar a dar dicas sobre o assunto.

Vocês também podem me achar no Instagram e Linkedin.

E caso queiram ler a minha tese, basta clicar aqui!


erivaldocarneiro

Oi, eu sou Erivaldo Carneiro. Se quiser, me chamar de Eri, tá tudo certo. Sou um aspirante a escritor e em breve você poderá me ler em qualquer banca de rua entre carregadores de celular, revistas vencidas e cigarros baratos. Gosto de falar sobre tudo, mas a minha paixão é pela Metodologia Científica. Ela já salvou minha vida. Pode salvar a sua. Também.

0 comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: