5 motivos pelos quais foi preciso fazer um recall na sustentabilidade

Publicado por erivaldocarneiro em

Quem imaginaria que um recall na sustentabilidade iria acontecer? Uma das coisas mais difíceis de acontecer no mundo dos negócios é ver uma teoria ou um pensamento ser revisitado por quem o propôs.

Isto não acontece com muita frequência por um motivo. A pessoa morre antes do recall. Ou, se ainda vivo, todas as discussões já foram esgotadas. E, portanto, não precisa recall.

Bem, isso era o que acontecia até 2018, quando John Elkington, de maneira voluntária se propôs a fazer um recall na sustentabilidade e revisitar o Triple Bottom Line (TBL), termo que ele mesmo cunhou. Em português é conhecido como o Tripé da Sustentabilidade e já tem 25 anos que foi proposto. Por isso, é figurinha carimbada por acadêmicos e empresas.

elkintgon o pai da sustentabilidade e fez o recall na sustentabilidade
Fonte: Linkedin de John Elkington

O nome Tripé é por causa dos 3 Ps da Sustentabilidade (people, planet and profit) ou, em português,“PPL” (pessoas, planeta e lucro).

O surgimento do TBL

O TBL surgiu como uma forma de direcionar as empresas, governos e sociedade para a agenda do desenvolvimento sustentável, lá pelos idos anos 1994. Em um artigo publicado em de 25 de junho de 2018, na Harvard Business Review, ele fez sérias críticas à forma como o conceito vem sendo usado desde sua fundação. Por isso, foi feito o recall na sustentabilidade.

Ou seja, ele fez uma auto crítica histórica de um fato que ainda está acontecendo e foi impulsionado por um conceito que ele mesmo propôs.

Na visão do autor, o sucesso ou fracasso das metas de sustentabilidade não deve ter como medida apenas o lucro e/ou perda. Afinal, é o que vem ocorrendo desde o surgimento do termo. Contudo, o sucesso das metas deve ser mensurado, também, em termos de bem estar das pessoas e da saúde do Planeta Terra.

Mas voltando ao recall na Sustentabilidade…

O TBL foi proposto como uma reflexão sobre a forma como o mundo à época estava vivendo. Da mesma forma, o capitalismo precisava ser repensado. Parecia que o caminho proposto pelo novo conceito levaria as economias do mundo a pensar num futuro sustentável.

Já naquela época, as empresas começaram a usar o TBL sob a perspectiva de compensação. À primeira vista, parece que não mudou muito. Os sistemas de compensação ambiental continuam, ainda, firmes e fortes.

Empresas e/ou países que não poluem vendem seu créditos para o que poluem.

Continuamos a ver as empresas registrarem lucros cada vez mais altos. Da mesma forma, os endinheirados aumentam suas fortunas. Igualmente, os executivos de grandes empresas recebem salários obscenos para degradar o meio ambiente.

Assistimos, inertes, a natureza ser sufocada. E como dito em O Princípio Responsabilidade, do francês Hans Jonas, escrito na década de 70, “a natureza não tem tempo para se regenerar”. Elkington percebeu isso, ainda que tarde e propôs o recall do conceito do TBL.

Mais atual que o pensamento do francês, só o COVID-19, mesmo.

O ciclo do renascimento se rompeu. Nossas primaveras estão ameaçadas.

1 – A Contabilidade se apropriou do conceito de Sustentabilidade

E MUITAS VEZES, DA PIOR FORMA POSSÍVEL

As Demonstrações Contábeis são a voz da empresa diante dos investidores, sociedade e de quem mais se interessa por ela. Afinal, por meio delas, as empresas informam como estão suas operações, a saúde financeira, a forma como trata os ativos.

Com o TBL estabelecido, as empresas precisavam tornar público que estavam sendo sustentáveis. Da mesma forma, que as dimensões “pessoas, planeta e lucros” estavam sendo seguidas.

recall na sustentabilidade
– Ouçam as pessoas, não os poluidores.
– Pessoas acima dos lucros.

Por isso, a divulgação voluntária das ações que “melhoravam” a sociedade e o meio ambiente ganharam páginas nos Demonstrações Financeiras.

Ao mesmo tempo, as empresas deveriam demonstrar, contabilmente, os seus impactos na sociedade e no meio ambiente. Entretanto, não foi isso que aconteceu, se vermos bem.

2 – A Sustentabilidade virou uma bandeira do marketing

Muito pelo contrário, as demonstrações de sustentabilidade passaram a legitimar as atividades das empresas, chamar atenção das mídias. Igualmente, a sustentabilidade é um dos maiores ativos da área de marketing.

Em último e principal caso, ganhar valor de mercado pelo aumento de suas ações.

Nesse meio tempo apareceu até o Greenwashing e o Socialwashing (em breve farei um artigo sobre o tema) e até me atrevo a dizer que a Contabilidade tem sua parcela de contribuição.

Fonte: Flirk

Portanto, não é de estranhar que os sistemas de informações contábeis foram revolucionados para “encaixar” a Sustentabilidade. Igualmente, a criatividade das empresas e estudiosos da área aflorou como nunca e diversas medidas (FINANCEIRAS) foram criadas. Aí reside a crítica de John Elkington.

3 – As medidas financeiras não devem ser as únicas medidas para mensurar os resultados do TBL

A sustentabilidade e o uso do TBL virou uma commodity e não uma responsabilidade do capital de tornar o mundo lugar melhor.

A maioria dos indicadores, índices e relatórios de sustentabilidade possuem boas intenções. Antes de mais nada, o problemas é que, na maioria das vezes, não existe a materialização das boas intenções. Por isso, no mundo real, as coisas acontecem bem diferentes dos mundos relatórios.

O Balanço Social, GRI – Global Reporting Initiative, SROI – Retorno Social sobre o Investimento, o Índice Down Jones de Sustentabilidade (DJSI) são exemplos de relatórios que procuram refletir como as empresas estão se comportando na sustentabilidade. A essência deles é sensacional. Mas muitas vezes, todos eles, no fim das contas, legitimam a empresa aos olhos do mundo empresarial.

relatório de sustentabilidade recall na sustentabilidade
Fonte: Unsplash

Não é difícil encontrarmos empresas que estavam com suas Demonstrações de Sustentabilidade perfeitas e pouco tempo depois do estardalhaço da divulgação dos números, escândalos ambientais e sociais. Sob esse ponto de vista, precisamos evoluir enquanto sociedade, que cobra das empresas e os investidores devem estar atentos às empresas investidas.

4 – O recall na sustentabilidade quer mais atitude e menos discurso das empresas

Vejam bem, não estou diminuindo a importância dos relatório. Se eles não existissem, talvez nem teríamos mais planeta. Logo, o que eu digo é que a Sustentabilidade tem que deixar de ser discurso e passar a integrar a estratégia das empresas.

o recall na sustentabilidade exige ação das empresas
Fonte: Unsplash

Outro caso é que as atividade feitas pela Sustentabilidade parecem muito mais uma necessidade da área de RI – Relações com Investidores do que algo genuíno. Assim, como o próprio nome da área diz, a sustentabilidade virou uma entrega para os investidores, que ávidos em evitar risco de imagem, exigem cada vez mais evidências de que a sustentabilidade é uma prática na investida. E para por aí.

5 – O capitalismo não mudou

A mudança que era esperada com a adoção do TBL não aconteceu. O capital se apropriou do conceito e ele serviu de plataforma para que as empresas aumentassem seus lucros. Afinal, ter lucros crescentes ainda continua sendo o motivo da existência das empresas ao redor do mundo.

Pela fala do autor, esse é um grande desapontamento e por isso recall na sustentabilidade.

Conceitualmente o TBL é formado pela dimensão social, ambiental e econômica. Ao longo desses 26 anos de existência do conceito, a dimensão econômica jamais deixou de ser cuidada por nenhuma empresa. Caso vocês conheçam alguma, que fez o contrário, me avisem. Já ambiental e a social, na hora de qualquer decisão eram deixadas de lado.

o capitalismo e o recall na sustentabilidade
Fonte: Unsplash

Portanto, é inegável que as dimensões social e ambiental foram deixadas de lado muitas vezes. Dessa forma, os níveis de negligência, continua altos. Estamos exaurindo o Planeta e a degradação ambiental aumenta a cada dia.

Nunca tivermos tantos casos registrados de problemas de saúde, causado pelas mudanças climáticas ou emergência climática. Cidades, comunidades e até países podem desaparecer completamente. Bem como pode ser visto, estamos diante de uma crise sem precedentes na história da humanidade. Uma crise social está a caminho.

O BÔNUS

O recall na sustentabilidade pode ajudar a combater a emergência climática

Precisamos reduzir a temperatura da nossa Gaia em 1,5°C. Do mesmo modo, parece uma tarefa complicada diante do “tom do topo” que temos presenciado, começando pelos líderes políticos, que negam tudo que está diante de nossos olhos.

Por outro lado, muito mais que um desafio para o planeta, temos um desafio para os líderes. Aqueles que formam opinião e parecem não se preocupar com a sustentabilidade, aquecimento global e etc.

Estamos diante de um trade off. A nossa capacidade de sairmos vivos ao fim de tudo isso vem sendo reduzida a cada dia que passa. Uma mudança radical na forma como nos relacionamos com o planeta precisa ser feira. Imediatamente. Todos temos esta responsabilidade.

Será que seremos capazes de tudo isso? Iremos sobreviver a todo esse turbilhão?

Processando…
Sucesso! Você está na lista.

erivaldocarneiro

Oi, eu sou Erivaldo Carneiro. Se quiser, me chamar de Eri, tá tudo certo. Sou um aspirante a escritor e em breve você poderá me ler em qualquer banca de rua entre carregadores de celular, revistas vencidas e cigarros baratos. Gosto de falar sobre tudo, mas a minha paixão é pela Metodologia Científica. Ela já salvou minha vida. Pode salvar a sua. Também.

0 comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: