campo de ideias

Quer exercitar a criatividade? Coloque suas ideias pra jogo!

Se tem uma coisa que me dá tristeza na vida é ver alguém dizer que não se acha criativo. Primeiro, porque a pessoa se desmerece e segundo a pessoa, por tabela, coloca a criatividade como um presente dos deuses e deusas do Olimpo. E não é!

E você, se considera criativo? Se a resposta for sim, parabéns! Este texto é para você! Se a resposta for não? Ele, também, é para você. Senta aqui e vamos conversar?

Faça algo pela primeira vez e seja o que você quiser. Eu virei Escritor!

Este texto foi publicado na íntegra no LinkedIn.
No artigo de hoje, compartilho algumas crenças que me limitavam de publicar aqui na rede. A primeira é que mesmo escrevendo toda a vida inteira, não me achava escritor.
Hoje, além de me considerar escritor, sou blogueiro.
Era tudo coisa minha cabeça. E é justamente sobre isso que artigo de hoje fala. Sobre esses medos que todos nós, acadêmicos ou não, passamos até fazer alguma coisa pela primeira vez. Vamos nessa?

5 dicas para deixar o conteúdo acadêmico (ou não) atrativo para o leitor

5 dicas para escrever o conteúdo acadêmico atrativo para o leitor

Um dos maiores desafios que um cientista e acadêmico encontra no mundo real, leia-se internet, é conseguir conversar com o público. A principal barreira é academiquês, quase inacessível, que não é convidativo para leitura.

A boa notícia é que você pode ser mais simples, tornar o conteúdo acessível e ajudar na divulgação científica.

No artigo de hoje, eu apresento 5 dicas de como simplificar a sua escrita para o mundo da internet. Vem comigo!

Octavia-Spencer-como-Madam-C.J.-Walker-na-nova-série-da-Netflix-Divulgação-Netflix

3 razões (não óbvias) para assistir “A Vida e a História de Madame C.J. Walker”

Recentemente a Netflix lançou uma mini série de 4 quatro capítulos, chamada “A Vida e a História de Madame C.J. Walker”. Sei que muitos já sugeriram a série, onde a empreendedora é interpretada pela atriz ganhadora do Oscar, Octavia Spencer. Também sei que muitos já assistiram e que já tiraram suas conclusões. E provavelmente foram baseadas no senso comum, na narrativa que estamos acostumados a ouvir sobre casos de sucesso nos negócios.